Sintese das discussões   

Prezados. Procurei fazer uma síntese dos problemas detectados. Estão no anexo. Há necessidade de trabalharmos mais esta questão, porque ao meu ver as propostas apresentadas precisam ser aprimoradas. Será que precisaremos falar com especialistas? Saudações. Prof. Saulo.  Abaixo integra dos problemas detectados:

PROBLEMAS DETECTADOS

 1)     Muitas queixas e mais queixas sobre o governo, sobretudo da figura do MEC.

– Mas em termos econômicos, o Educacional é um setor mais do que consolidado.

– Reflexão: o que explicaria, então, essa crise de representatividade junto ao Executivo? Uma pitada mais forte de ideologia na definição de políticas estratégicas, que seria própria da área educacional? Desconfiança pelo fato de o setor explorar economicamente uma atividade de tal natureza? Mero descaso dos representantes do MEC?

– O que transparece é uma falta de organização no modo como o setor se representa institucionalmente.

– pulverização representativa é desfavorável ao setor.

– O Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular não cumpre a necessidade de aglutinação, de criação de uma força única para defender os interesses do setor privado.

– Não há união ou consenso.

 2)    Mercantilismo.

– falta de preocupação com a construção de um modelo de gestão adequado.

 3)    Design das homes das IES é primitiva e inadequada e dissonante em relação aos cursos que elas oferecem:

– falta então, comunicação verdadeira,

– a sociedade não é obrigada a reconhecer o que desconhece – falta comunicação.

 4)    Estabelecer limites nos ajustes de custos conforme a necessidade de se manter a qualidade.

 5)    Há práticas inadequadas do setor, sempre visando a redução de custos:

– falta exatidão e transparência das informações.

 6)    A incongruência dos índices criados pelo INEP com propósitos avaliativos:

– acarretam rankings que desconsideram as especificidades,

– INEP/MEC não se manifesta em função desta prática, preferindo debater estas questões no âmbito jurídico

– qualidade do ensino superior desfocada,

– FIES, o PROUNI e este auxilio do BNDES (que ainda não saiu do papel) ensejam o desenvolvimento vinculado aos aspectos da avaliação,

– os órgão reguladores deveriam contribuir para externar os índices de empregabilidade dos acadêmicos egressos das IES privadas,

– é impossível o ensino público atender a demanda de mercado, ou seja, há que se ter uma parceria ideal,

– os dados que corroboram com a eficácia do segmento privado não estão disponíveis.

MISTO DE PROBLEMAS DETECTADOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS

 PROBLEMA

7)    O Descrédito é acarretado pela falta de alinhamento estratégico das instituições e pela dificuldade de posicionamento das mesmas frente às necessidades do mercado.

– Gestores mal preparados frente às novas modalidades (EAD, Modulada, etc..) e novo perfil populacional.

– Qualidade baixa.

– Há excesso de oferta com demanda reprimida.

– O amadorismo impera na gestão das Instituições de Ensino Superior privadas Brasileiras.

SOLUÇÃO

– Necessidade de nova estruturação interna para que possa haver gestão dirigida (focada).

– Necessidade de Gestão eficiente fundamentada no gerenciamento equilibrado dos ativos intangíveis (conhecimento, processos, sistemas e informação) e no planejamento e controle dos recursos financeiros.

– Deverá ser em função das análises criteriosas de indicadores de mercado que as instituições terão o sucesso esperado.

– Fundamental conhecer bem sua organização, o perfil de seu público, bem como os indicadores da Educação Superior no Brasil

 PROBLEMA

8)    Avaliação:

– cerceamento do MEC impedindo crescimento,

– a questão do rankin do MEC sem qualquer conhecimento do entorno,

SOLUÇÃO

– insistente expansão das particulares enquanto as públicas estacionaram,

– necessidade de Associações locais para fortalecer a imagem,

– reflexão constante sobre Avaliação e Regulação.

 PROBLEMA

9)    Falta promoção e sustentação de imagem:

– fica subordinado as autoridades de plantão do MEC que sempre negativam e inviabilizam o ensino particular,

– IES gastam muito para o varejão de venda de cursos  porém nunca gastaram nada para valorizar seu trabalho,

SOLUÇÃO

– criar um Portal onde todas as instituições apareçam e mostrem e seus trabalhos a R$ 0,20 mês/aluno.

 PROBLEMA

10) Autonomia e Avaliação:

– o Ministério da Educação precisa urgentemente entender a importância da parceria com a representação do setor privado na formulação dos critérios de regulação, avaliação e supervisão seja através de comitês ou comissões que nos represente não apenas na formulação, mas na ação.

SOLUÇÃO

– Produção, partilha e apropriação do conhecimento – o foco na qualidade de ensino, no modelo de apropriação do conhecimento e na diversificação metodológica para aprendizagem trará a qualidade para Educação Superior Particular e não apenas a quantidade.

– Mobilização Nacional da Iniciativa Privada na Construção do Plano Decenal de Educação – devemos fazer um “mea culpa” e definirmos quanto estamos dispostos a nos unir e a lutar por espaços mais amplos para a iniciativa privada.

  SOLUÇÕES ENCONTRADAS

 11) Definir indicadores de Qualidade:

– Por: Rendimento acadêmico,

– Satisfação do aluno,

– Encaminhamento para o mercado de trabalho,

– Uso de pesquisa de reação,

– Produção científica,

– Impacto da extensão universitária nas comunidades locais.

 12) Encomendar uma pesquisa de Qualidade em um instituto idôneo para veiculação na mídia.

 13) Focar no tema credibilidade da Qualidade que a Particular oferece.

 14) Criação de comitê de auto-regulação, nos moldes do Conar. 

– Buscar ajuda de bons publicitários.

 15)     Abordar qualidade como formação para o trabalho e para a sociedade, educação continuada e permanente em extensão, lato e stricto sensu.

 16)     Apresentar um diferencial de Qualidade:

– No setor privado, o aluno tem um calendário acadêmico reconhecido e cumprido integralmente.

– Nossas instituições são regulamentadas periodicamente pelos mecanismos oficiais.

– Poderemos apresentar indicadores de qualidade por estado e por região, relacionados `a satisfação dos alunos, atendimento aos interesses e necessidades individuais, rendimento acadêmico, encaminhamento para mercado de trabalho (empregabilidade), publicações de alunos e participação em pesquisa e extensão universitária

Nas instituições privadas há Programas de Capacitação Docente que favorecem a Educação Continuada dos profissionais.

Avaliação na verdade tem a ver com o compromisso com a aprendizagem do aluno; com o quanto dominamos das percepções e interpretações de nosso alunado; como ele poderia ter sua fala incluída em nossas pesquisas

As instituições deveriam preparar relatórios, a partir de um padrão, de forma a socializar os resultados alcançados pelo Ensino Superior privado

Anúncios

Sobre PROINNOVARE

A PRO INNOVARE é uma empresa de consultoria e assessoria empresarial com técnicas, ferramentas, metodologia, modelos e capacidade para propiciar o desenvolvimento de instituições empreendedoras com a geração de resultados por meio da inovação. Refletimos de forma crítica e criativa, através de pesquisas e atividades práticas sobre o processo de inovação dentro das empresas. Nossas áreas de atuação estão associadas ao campo temático da inovação, direcionada ao segmento de serviços. Instituições baseadas em conhecimento, sistemas empresariais e institucionais de inovação e aprendizado, inovação em instituições educacionais e outros segmentos de serviços.

Publicado em 09/08/2010, em Comunicação e Imagem do Ensino Superior Particular e marcado como . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: